O apresentador do ‘Altas Horas’, da TV Globo, Serginho Groisman bateu um papo especial com o colunista do UOL, Maurício Stycer sobre o momento de pandemia que estamos enfrentando.

Serginho Groisman comentou que está torcendo bastante para que tudo volte ao normal o mais rápido possível. Na entrevista que concedeu ao especialista em televisão, o recém septuagenário, torce para a volta à normalidade:

“Tenho sido um espectador assim desse pesadelo que a gente tem vivido no mundo, no Brasil, e olhado, tenho refletido, pensado a respeito de como as coisas estão acontecendo, torcendo para que estejam melhores”, avaliou ele.

O famoso também comentou o momento político que estamos vivendo: “Quando aparece uma pandemia como essa, são dos políticos que a gente espera atitudes a serem cumpridas, a serem olhadas, replicadas, não é? Infelizmente a gente continua em um momento muito difícil, muito trágico, onde talvez a palavra que tenho usado mais é a palavra empatia, que é você tentar sentir a dor do outro um pouco. Porque está faltando um pouco isso”, avaliou.

Para Serginho Grosiman, isso não é apenas uma ‘jabuticaba brasileira’. O mundo inteiro está assim. A falta de empatia é global: “É só ver, não só no Brasil, o que acontece nos Estados Unidos: uma falta de empatia em um momento tão difícil. Então a gente não consegue focar naquilo que deveria ser uma atitude comum, comum mesmo, né? União política, união artística, união… Para combater uma coisa só, e depois a gente volta e vê o que a gente tem de diferenças em relação à política, a economia, não é? Até as posturas individuais. Então sinto assim”.