A atriz Priscila Fantin abriu o coração em conversa com a sua colega de trabalho, através do Instagram, Samara Felippo. Por lá, a famosa relembrou a sua estreia na televisão, já como protagonista:

“Sou muito bicho do mato, na minha… Senti um nariz torcido para mim porque era uma nova chegando e fazendo protagonista”, iniciou Priscila Fantin, que relembrou do processo seletivo para fazer a trama da TV Globo, que marcou geração:

“Malhação estava em seletivas regionais e a agência de Belo Horizonte, onde eu cresci, enviou materiais meu, do Daniel de Oliveira e da [Daniella] Cicarelli. Fui para os Estados Unidos fazer intercâmbio e ligaram para minha mãe [que trabalhava na agência] para me chamar para fazer o teste do elenco de apoio de Malhação”, disse ela.

De primeiro momento, a convidaram para fazer um teste para elenco e ela não aceitou. Tempos depois, ligaram para fazer um teste para protagonista: “Minha mãe me ligou, mas não quis largar o intercâmbio. Não achei que seria interessante. O elenco de apoio é, basicamente, uma figuração fixa, com uma outra fala. Neguei. Depois do elenco de apoio, chamaram para teste de elenco, recusei. Aí, me ligaram para o teste de protagonista. Fiquei desconfiada com a insistência e que valeria a pena ver no que aquilo poderia dar. Foram cinco voos de volta ao Brasil e fui direto ao Rio de Janeiro”.

O resto foi história, conforme contou Priscila Fantin, que na época tinha 16 anos: “Não fui ver minha família em Minas. Quando cheguei lá nos estúdios, não fiz teste. Tive uma reunião com o Ricardo Waddington e ele me explicou como seria a Tati. Como era menor, minha mãe tinha que acompanhar as gravações. Lembro que, da turma, a Samara era a única que podia dirigir (risos).”