Fábio Porchat tem feito sucesso com suas lives diárias no Instagram, mas não é só isso que ele tem feito durante o isolamento social. Porchat declarou estar trabalhando muito mais agora, no período de quarentena em casa, do que antes da pandemia. Durante uma live com o Canal Brasil, o humorista contou como é possível trabalhar tanto e ainda se alimentar, dormir e namorar: “Eu sou muito organizado e metódico. Além das lives diárias, tenho feito aula de inglês, exercícios físicos, ajudo a cuidar da casa e ainda tenho assistido a muitos filmes antigos”.

Em um papo super descontraído com Simone Zuccolotto, Porchat contou como surgiu a ideia de entrevistar alguém todos os dias em seu canal no Instagram: “Minha mulher veio com essa ideia. Ela viu que a Miley Cyrus diariamente fazia uma live e eu resolvi mandar mensagem para alguns amigos perguntando se eles topavam. Comecei Com Luciano Huck, Paulo Gustavo e a coisa foi dando certo, quando vi virou um programa. É o momento em que está todo mundo podendo falar, está todo mundo em casa. Está sendo uma experiência ótima, falei com muita gente boa que seria difícil levar até um programa de TV. Conversei, por exemplo, com Fernando Henrique Cardoso em uma live e foi excelente o papo”, contou Fábio, que usa o closet da esposa como cenário para suas entrevistas.

“Que História É Essa, Porchat?”, um dos projetos de Porchat mais elogiados pelo público e pela crítica, ainda está com futuro incerto para esse ano. O programa gravou quatro episódios inéditos, mas ainda está sem data para retornar: “A alma desse programa é ouvir as histórias de todos, inclusive da plateia, e sem essa galera, como a gente faz? Sem as interferências e as risadas da plateia, perde-se muito, quebra a dinâmica do programa. Ainda vamos ver como será”, avalia Porchat, que continua tocando o programa “Papo de Segunda”, do GNT, sozinho no estúdio e interagindo com Emicida, Chico Bosco e João Vicente, integrantes da atração.

Fábio falou também sobre as neuroses que passam pela cabeça quando sai para ir ao mercado e diz que passa álcool gel em tudo, até na própria embalagem do álcool. Quando o assunto é o “Porta dos Fundos”, ele conta que tinha vídeos gravados até agosto, mas o time optou por gravar de casa novos conteúdos que abordassem a quarentena: “É o que as pessoas estão se identificando no momento”.

Além de tudo isso, Porchat falou sobre “O Palestrante”, seu novo longa-metragem que seria lançado no fim deste ano, mas talvez tenha a data postergada: “Eu lançaria no streaming, não sou apegado ao cinema. O que me importa é que as pessoas se divirtam, que elas possam rir. O filme já está pronto, eu assisti e está muito legal”, diz.

Antes de terminar a entrevista, Fábio disse o que mais quer fazer assim que o isolamento social acabar: ir ao teatro com a esposa e sair para jantar, mas lamenta quando reflete que cinemas, teatros e shows devem ser os últimos a voltarem ao funcionamento normal.