Procurado pela revista Quem , o advogado da empresa, Mohamad Fahad Hassan, disse que a juíza do processo mandou intimar a produtora das lives feitas pelo artista e o Youtube. "A credora descobriu que  Xanddy vem fazendo apresentações pela internet (lives) e que tem um show agendado para acontecer logo depois do fim do isolamento determinado pela crise da Covid-19. Diante disso, pediu a penhora dos valores que o cantor tem para receber com essas apresentações. A juíza do processo deferiu a penhora e mandou intimar a produtora dos eventos e também o Youtube para que depositem todos os valores judicialmente, em favor da credora", disse.

O advogado da empresa disse ainda que em 2003 foi firmado um acordo para a negociação do imóvel com o casal, que teria ficado de pagar à empresa R$ 700 mil em cinco parcelas. "Foi feita uma negociação na qual a minha cliente [a empresa South América Serviços e Assessoria Logística] vendeu um imóvel para eles, que se comprometeram a pagar, mas não o fizeram. Eram cinco parcelas e eles não pagaram nenhuma delas. O processo vem desde o ano de 2005. E por conta da morosidade do Judiciário está em andamento desde então", contou.

Devido ao não cumprimento das parcelas, a empresa levou à Justiça as cinco promissórias que supostamente foram dadas a Xanddy e Carla como garantia de pagamento pelo casal, mas nenhuma delas foi quitada. Ainda de acordo com a revista, o valor inicial do processo era de R$ 1,12 milhão, mas por conta dos juros a dívida atual é de 5,5 milhões.